Tecnologias

Actualmente são muitas as tecnologias que são aplicadas e conjugadas para criar uma solução relativamente às necessidades de água que se apresentam na actividade diária dos diferentes sectores de actuação dos principais agentes produtivos da sociedade.

 

Em seguida oferece-se uma referência das tecnologias mais frequentes:

FILTRAÇÃO

Separação mecânica de partículas. Principais linhas de filtração:

 

  • Silex
  • Silex/Antracite
  • Sílex/Antracite
  • Carbono Activo
  • Deferrização
  • Cartuchos
  • Bolsas
  • Anillas
  • Malhas
  • Hidrociclone
ULTRA-FILTRAÇÃO

Tecnologias da membrana utilizada para eliminação selectiva de matéria em suspensão, partículas, macro-moléculas grandes, matéria coloidal ou microorganismos, mas que não elimina iões ou matéria dissolvida. O diâmetro do poro da membrana está compreendido entre 0,1 e 0,001 µm.

 

Tem uma série de vantagens sobre a filtração convencional: menor consumo químico, maior eficiência de eliminação de contaminantes, melhor e maior continuidade da qualidade da filtragem, unidades mais compactas e automatização mais simples.

OSMOSE INVERSA

Sistema indicado para a produção de água com um baixo conteúdo em sais, livre de vírus e contaminantes químicos. Empregam-se membranas de osmose, cuja configuração varia em função da natureza da água a tratar.

 

A execução de um adequado pré-tratamento, é a condicionante mais importante para conseguir o funcionamento de uma instalação de osmose inversa, assim como a sua correcta exploração e manutenção.

sistema de osmosis inversa
osmosis inversa
equipo osmosis inversa
planta osmosis inversa
INTERCÂMBIO IÓNICO

Tratamento para a eliminação de iões dissolvidos em água (Cálcio, Magnésio, Sulfatos, Bicarbonatos, Metais e Nitratos, entre outros) através de resinas de intercâmbio iónico, que se reactivam através do uso de regenerantes. Tipologia:

 

  • Descalcificação
  • Desmineralização
  • Descarbonatação
  • Leitos Mistos
  • Desnitrificação
  • Outros
ELECTRODESIONIZAÇÃO (EDI)

Técnica de polimento que resulta em água ultrapura. Acontece continuamente sem utilização de qualquer produto químico.

 

O consumo energético é directamente proporcional à quantidade de sais retirada e as perdas de água são muito baixas, cerca de 5-10%.

 

A regeneração contínua das resinas consegue-se electroquimicamente, através de membranas condutoras de iões e por aplicação de corrente eléctrica.

DESINFECÇÃO

Tecnologia que pretende a destruição ou inactivação de germes patógenos da água.

Os métodos mais habituais são:

 

  • Métodos Físicos: Radiação Ultravioleta.
  • Métodos Químicos: Ozono, Peróxido de Hidrógeno, o Cloro e seus derivados
UNIDADES PILOTO

É uma unidade de processo em escala reduzida que se projecta, constrói e opera para estabelecer a viabilidade técnica e económica de um determinado processo físico ou químico.

 

É muito mais flexível que uma unidade de escala industrial porque permite trabalhar num alargado âmbito de valores que possibilitam o estabelecimento dos parâmetros de operação óptimos do referido processo para o posterior projecto e construção da unidade à escala industrial.

plantas piloto
FÍSICO–QUÍMICO

Tratamento através do qual se consegue a eliminação das partículas coloidais pela desestabilização e posterior formação de flóculos. Consta de 2 etapas:

 

  • Coagulação – floculação: consegue-se a formação de flóculos graças à adição de reactivos químicos
  • Clarificação: processo através do qual se eliminam os flóculos empregando sistemas de Filtração, Flotação ou Decantação
BIOLÓGICO

Aplica-se fundamentalmente para águas que têm alto conteúdo em matéria orgânica biodegradável (solúvel e coloidal), assim como para a eliminação de compostos que contêm nutrientes (Nitrógeno e Fósforo, fundamentalmente).

 

Em função das características da água e da carga orgânica a tratar, deparamo-nos com diferentes tipos de tratamentos:

 

  • MBR
  • SBR
  • Lodo Activado
  • Fluxo Pistão
  • Sistemas Anaeróbios
  • Outros
EVAPORAÇÃO

Tecnologia efectiva para o tratamento de resíduos industriais líquidos, que podem chegar a um sistema de tratamento de descarga zero. Permite a minimização de resíduos por concentração, o que reduz o custo da sua gestão.

 

A água tratada é de tal qualidade que permite a sua reutilização no processo industrial.

 

A sua aplicação é muito habitual em sectores cuja actividade tem um grande impacto sobre o meio ambiente, como por exemplo, sidero-metalúrgicas, industriais químicas, farmacêuticas, papeleiras e lixiviados.